Alimentação da Mulher

Com a evolução dos tempos, o movimento feminista trouxe as mulheres para o mercado de trabalho após muitas lutas. As mulheres passaram a ocupar um lugar importante na sociedade com a sua organização, determinação e tenacidade em ocupar seus espaços nas empresas, nos consultórios, na nasa lançando foguetes ou onde a mulher queira estar e o que ela queira ser e fazer.

Mas as mulheres ainda possuem outros papéis também igualmente importantes como gerar filhos, cuidar de si e da sua família. Embora muitas obrigações sejam divididas igualmente com os homens, as mulheres modernas estão sobrecarregadas e precisam de um cuidado extra. E um deles é com a sua alimentação.

A alimentação da mulher ao longo da vida deve ser basear em alimentos saudáveis como preconizado pela Pirâmide Alimentar tradicional com macro e micronutrientes em quantidades ótimas para cada faixa etária.

Com o passar dos anos a mulher diminui os níveis de estrogênio ovariano e chega ao climatério e podem ocorrer inúmeros sintomas como ondas de calor, tontura, sudorese, etc. Alterações ósseas que aumentam o risco de osteoporose e cardiovasculares também podem acontecer. Pode ser observado um aumento de colesterol e triglicerídeos nesta fase. O ideal é investir em alimentos frescos  como frutas e legumes, fibras como aveia e linhaça que por ser rica em ácidos graxos essenciais, vitaminas e minerais que pode prevenir inclusive alguns tipos de câncer.

A mulher pode sofrer várias mudanças com redução de massa muscular e aumento da gordura corporal, especialmente na região abdominal.  Por isso é imprenscindível diminuir o consumo de alimentos gordurosos e com açúcar e sal. Deve ser valorizada a ingestão de pelo menos cinco porções de hortaliças e grãos, pelo menos duas porções de fontes de cálcio (verifique o rótulo de leite e iogurtes e consuma os com maior teor de cálcio e baixo teor de gordura.

Outra perda importante é a de colágeno que diminui a elasticidade da pele, aumenta as rugas e a fragilidade articular e óssea. O uso de proteínas de alto valor biológico é essencial como carnes magras e ainda valorizar as fontes de vitamina C e silício como frutas, cereais integrais para estimular a produção de colágeno natural. Um profissional habilitado pode prescrever suplementação se houver necessidade. Os antioxidantes são importantes para diminuir os danos celulares como o ômega 3 através dos peixes, licopeno com tomate e alimentos vermelhos, fitoesteróis e fitoestrógeno como soja, betacaroteno com os alimentos amarelos e vermelhos, vitamina C com frutas cítricas, indóis como brócolis e couve-flor, quercetina como cebolas e uvas e vitamina E com gérme de trigo e vegetais folhosos.