Alimentação Líquida após Cirurgia Bariátrica

Alimentação Líquida após Cirurgia Bariátrica 

A cirurgia bariátrica pode ser restritiva (Sleeve ou Manga Gástrica) ou mista (Bypass Gástrico). Ambas dependem de um período de cicatrização seja do estômago ou estômago e intestinos.

Características: é uma alimentação muito restrita, geralmente usada em pós-operatórios, principalmente de cirurgias relacionadas ao trato gastrointestinal, com finalidade exclusiva de hidratação e de readaptação do processo digestivo e absortivo após paralisação por anestesia. Fornece um mínimo de resíduos, propiciando o máximo de repouso intestinal. Suas principais características são:

É composta de alimentos líquidos ou que se liquefazem a temperatura corporal em contato com a boca. 

Possui baixo valor calórico (hipocalórica), em torno de 400 a 800 kcal (com média de 500 kcal/dia), por não conter uma variedade alimentar que propicie oferta calórica adequada, devendo ser ofertada por pouco tempo, pois não tem o objetivo de nutrir, apenas de hidratar. Nutricionalmente é hiperglicídica (até 70%), hipoproteica e hipolipídica. Porém já é acrescida de Whey Protein para diminuir este déficit protéico. Fornece prioritariamente líquidos e eletrólitos.

São preparações de fácil absorção e com pouco resíduo, pela própria característica física da dieta – líquida – e tipos de alimentos usados.

Deve ser administrada por 10 dias a 15 dias.

Deve ser oferecida em pequenos volumes (50 a 100 ml/refeição) e com maior fracionamento (a cada 1/2 hora) para hidratar os tecidos e evitar distensão abdominal.

Permite-se água sem gás, água de coco, bebidas isotônicas, chás claros (ervas claras, frutas e flores), sucos de frutas naturais não ácidas (coados e sem adição de açúcar), caldo de vegetais e de carne coado sem temperos (oferece-se o caldo do cozimento!), gelatina em temperatura ambiente, iogurtes, leite desnatado rico em cálcio e suplementos em pó, tanto de vitaminas e minerais, protéinas e probióticos. 

O monitoramento dos pacientes em alimentação líquida é fundamental para evitar desidratação, nefrolitíase e colelitíase. Os pacientes devem ser orientados a beber líquidos bem devagar, em pequenos goles para evitar engasgos e vômitos.

É absolutamente necessária e não pode ser negociada neste período de pós operatório imediato.