O segredo do sucesso após a cirurgia bariátrica – parte I

Quando você decide que o procedimento cirúrgico é uma opção e que você será beneficiado (a) pelo método, parabéns, você está no caminho certo, desde que compreenda alguns pontos bem importantes e esteja aberto a fazer concessões no seu hábito de vida diário.

Primeiro entenda que A OBESIDADE NÃO TEM CURA, MAS TEM CONTROLE! A obesidade têm tratamentos e um deles é a cirurgia, que por sinal é o melhor e mais efetivo deles, mas exige critérios de seleção do paciente bem delimitados.

As técnicas mais aplicadas como Bypass gástrico ou Sleeve Gástrico são um caminho para o controle da obesidade.

Quem se propõem a fazer um procedimento cirúrgico precisa estar muito consciente que a cirurgia vai impor limites alimentares e exigir um exercício físico muito disciplinado para obter resultados realmente eficazes. E esta mudança comportamental é para SEMPRE.

Eu como profissional, me preocupo muito com afirmações como:

– “Já tentei várias dietas. ”

– “Não quero me submeter a mais dietas.”

-” Quando estou em dieta eu como frutas e verduras.”

– “Sempre tem frutas lá em casa, mas não como por falta de hábito.”

– “Quando eu me dediquei fazendo dieta e exercício físico eu até perdi peso, mas depois desanimei e voltei a engordar.”

– “Eu nunca mantenho meu emagrecimento porque minha família come muito e eu sempre tenho que fazer dieta e nem sempre eu consigo.”

– “Detesto musculação, na verdade não suporto academia.”

– “Faço caminhadas diárias quando o tempo está bom.” (Moramos em Curitiba e temos quatro estações num único dia, resumo: este exercício físico não está funcionando direito)

– ” Não tenho disciplina para usar medicamentos, esqueço sempre.”

Primeiro ponto:

A palavra DIETA significa o hábito alimentar e NÃO uma restrição somente. Portanto NÃO é adequado alguém acreditar que fazer DIETA, é somente ter uma restrição alimentar. Esta palavra é muito difundida entre os profissionais da saúde e soa SEMPRE para o paciente com parar de comer ou comer alimentos ruins.

HÁBITO É BANHO, É ESCOVAR DENTES. Você tem coragem de sair de casa sem tomar banho ou sem escovar os dentes?

E por quê acreditar que comer frutas, verduras, alimentos integrais é fazer dieta monótona que só serve para quando você quer emagrecer. Comer frutas e verduras NÃO é ruim, é um hábito dietético que possibilita o aumento do consumo de fibras e com isso seu intestino agradece. Mas que pena que você não enxerga seu intestino. Se o visse ficaria horrorizado. Nós temos trilhões de bactérias no nosso intestino, entre boas e más bactérias. E quando não consumimos fibras de forma adequada as bactérias más fazem a festa. Neste desequilíbrio, seu peso aumenta, sua pressão arterial pode descontrolar, seu colesterol pode aumentar, você pode ter um risco maior de ter diabetes e esteatose hepática. Resumo: nutrir o intestino com fibras é bastante inteligente. E NÃO É DIETA, é simplesmente FUNDAMENTAL PARA MANTER SUA SAÚDE.

Segundo ponto:

Nosso corpo é composto de água, minerais, proteínas, gordura, músculos e ossos e precisa de exercícios físicos diários. Não tem como ignorar isso. Se você fizer a cirurgia e perder muito peso em pouco tempo e não fizer musculação acompanhada de exercícios aeróbicos, você perderá basicamente músculos e água e você ficará o chamado “falso magro”, aquele que pode engordar no primeiro doce que comer. Músculo gasta energia e gordura não. Precisamos construir nossos músculos todos os dias.

Terceiro ponto:

Após a cirurgia É OBRIGATÓRIO E PARA SEMPRE o uso de suplementos nutricionais como polivitamínico, ferro, cálcio, complexo B e whey protein. Você precisará de disciplina para dosar seus exames periodicamente e fazer consultas com a equipe que o acompanha para prevenir deficiências nutricionais como anemias carenciais, queda de cabelos, alterações em pele, unhas, ossos, memória, disposição etc.  E muitos dos suplementos são via oral. Portanto a disciplina para usar os suplementos é indiscutível.

Quarto ponto: 

Você pode ter uma expectativa de que hoje você opera e amanhã estará no peso ideal, mas não é assim. Você pode percorrer um longo caminho e ter complicações variadas como náuseas, vômitos, refluxo, síndrome de “dumping”, desidratação, diarreia, constipação, intolerância à lactose, fadiga, cansaço, esquecimento, irritabilidade (sim, alimentos líquidos te irritam por você não poder mastigar).

Quinto ponto:

Existem sim alimentos e comportamentos proibidos após a cirurgia:

  • bebida alcoólica
  • bebidas gaseificadas como água com gás, refrigerantes.
  • doces em geral
  • alimentos fritos
  • carnes gordurosas
  • ser sedentário
  • ficar beliscando o tempo todo

Sexto ponto:

E vale a pena tudo isso? Pode ter CERTEZA QUE SIM! Em 23 anos de trabalho, nunca vi um paciente sequer se arrepender depois de mostrar a si mesmo que é capaz e que pode mudar de vida. Desde um simples ato de sentar e dobrar as pernas, ter um assento confortável num avião sem ficar constrangido, ter sua saúde de volta sem pressão alta, sem diabetes, com o fígado trabalhando feliz, e sua auto estima nas alturas. Agora NUNCA deixem ninguém falar a você que optou e precisou da cirurgia como alguém que percorreu o caminho mais fácil. Só você sabe de toda a disciplina e responsabilidade que tem com o seu tratamento. E só você pode fazer isso por você mesmo, jamais delegue ou justifique não ter feito por culpa de alguém. Nós somos responsáveis por tudo o que acontece em nossas vidas.